Coletânea

segunda-feira, outubro 31, 2005

 

Politicamente Correto e Sabedoria Popular - o texto original

Ver também: Politicamente Correto e Sabedoria Popular hoje.

Politicamente Correto e Sabedoria Popular souberam - Popular por fofocas dos vizinhos, e Correto por comentários despretensiosos dos amigos, claro - de um caso bastante comum, mas que os chocou pela imprevisibilidade: o filho caçula do pessoal da frente, Rodrigo, de 17 anos, apaixonou-se por Mariana, 42, amicíssima da família. Pressionados para separarem-se, casaram às escondidas assim que ele alcançou a maioridade. O comentário de Popular obteve frenético respaldo entre a família ultrajada e os vizinhos solidários:

- Coitadinho!... Caiu nas garras daquela mulher, que vai se aproveitar da juventude dele e depois jogar fora... Corruptora de menores é o que ela é! O que uma mulher daquela idade vai querer com um garotinho? Sexo, claro!

Politicamente Correto, em gestos amplos, recebeu silêncios aprobativos da roda de amigos quando generalizou a questão.

- Não tenho nada contra: diferença de idade não é obstáculo quando existe amor.

Mas, no fundo, bem que pensava:

"Quero ver quando ela estiver com seus cinqüenta e tantos..."

E Sabedoria Popular, por sua vez:

"Se der mesmo certo, que lindo!..."


 

A mente de Cristo



No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus,
e o Verbo era Deus. (...) E o Verbo se fez carne
e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade,
e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.
João 1:1 e 1:14


Em grego, o termo original para Verbo é logos, que para os gregos significa palavra, mas também princípio ordenador do que existe. Ao referir-se a Jesus como o logos, o Evangelho de João, no primeiro capítulo, não faz distinção aparente entre a verdade como princípio regulador do mundo e a verdade que está em Cristo, que é Cristo. De modo especial neste Evangelho, estão associadas em Cristo, sem contradição, a objetividade (a verdade como a luz que “ilumina a todos os homens”, em João 1:9) e a subjetividade, na figura humana de Jesus (“o Verbo se fez carne e que habitou entre nós”, em João 1:14). Logo, segundo os cristãos, para um conceito de verdade realmente válido é necessário que as dimensões universal (teoria, abstrações) e particular (experiência individual) estejam intimamente ligadas – como de fato estão, de modo maravilhoso e inédito na história das religiões, na pessoa de Cristo. De onde se conclui que, de todos os adeptos a uma fé ou a uma determinada visão de mundo, os seguidores de Cristo são ou deveriam ser os menos propensos a caírem no engodo da separação entre essas duas dimensões. Proponho-me aqui a examinar se partilhamos da mesma doença separatista, e por quê.
Tal doença reside no fato de que, se temos como conclusão que a verdade é universal e pessoal ao mesmo tempo, quanto mais afastados estão os homens da verdade que é Cristo, mais afastados estão da verdade como um conceito de aplicação geral. Segue-se que, quanto mais distante do transcendente pessoal, menos inteligente e aplicável é uma teoria que pretenda explicar o mundo ou servir de base para o conhecimento do que existe. Aferrados a uma noção por demais generalista de Deus, os inúmeros autores que se valeram da negação da pessoalidade divina para construir suas teorias obtiveram em conseqüência uma dolorosa aridez e uma insustentável dissonância com a realidade. O simplismo geométrico de Kepler e o teísmo de Voltaire (que, não admira, acaba por tornar-se ateu militante) servem de triste exemplo ao que digo.
Mas é o outro lado da moeda meu principal alvo aqui. Como um padrão geral bastante nocivo, e até em contraposição ao racionalismo dos séculos precedentes, a recente história do pensamento moderno engaja-se, desde o século XVIII mas mais fortemente no século XX, em um processo de alegre e irrefletida adesão a uma ênfase personalista, com a manifesta recusa ou aversão a todo princípio de objetividade. No meio acadêmico, tanto na Europa (sobretudo na França) quanto nos Estados Unidos, as áreas humanas o testemunham com muita propriedade; mas é no Brasil que o fenômeno parece ter fincado raízes mais profundas.
Não é novidade que o brasileiro vive imerso na atmosfera de uma insistência quase predominante em um discurso intimista, relacionado a interesses individuais. O Brasil de hoje evita mais que nunca teorias, valores e práticas para o bem comum, acima dos estritos consensos. Já é muito difícil encontrar um autor nosso que se preocupe com questões universais. Mas a igreja evangélica brasileira também não foge à regra, e é aí que chego finalmente ao meu ponto: com raríssimas exceções, temos comunicado nossa fé quase que exclusivamente como a verdade particularizada, como “solução” para as mazelas pessoais de quem nos ouve, enfatizando o encontro pessoal com Cristo – o que faz jus à dimensão pessoal de Deus, com certeza, mas não à verdade em Cristo, universal, que traz luzes sobre o sentido da vida para toda a humanidade.
É assim que o evangélico brasileiro tende a particularizar tanto a mensagem do evangelho que sua mente pode até mesmo se dividir em dois compartimentos estanques: o da verdade da igreja e o da verdade geral. Quando isso ocorre, ele não consegue desafiar a mentira vigente no mundo porque sua fé não tangencia essa mentira, mas se refugia em um lado da mente que crê controlar sua própria vida e apenas isso. A fé serve, nesse caso, não como uma bússola para as ações humanas, para uma filosofia da moral, mas como um estrito regulador da vida particular. Claro que o processo funciona neste âmbito, mas para os homens ele se torna um E.T. cuja fé permanece incomunicável, e nisso ele contribui para a manutenção de um dos principais nós teóricos – se não o principal – da modernidade: a recusa do sentido do geral, conforme apontado pelo filósofo romeno Constantin Noica, terreno fértil para os relativismos de nossa época. Nisso, ele deixa de ser sal e luz, tal como Jesus havia recomendado.
Essa é mais que uma possível explicação para a pouca representatividade intelectual da igreja evangélica brasileira nas grandes questões de hoje: é uma conclamação de urgência para que possamos pôr abaixo o muro conceitual que separa nosso cristianismo da trama intricada das idéias hegemônicas deste mundo, enfrentando-as à luz da verdade – não com o nosso poder, finito, mas com o presente que, segundo o apóstolo Paulo (1Co 2:16), recebemos diretamente de Deus ao nos convertermos: a mente de Cristo, sinal do homem espiritual maduro em nós. Se, de acordo com Paulo, o homem espiritual é apto a “julgar todas as coisas sem ser julgado por ninguém”, é porque fala do que apenas Deus é capaz de transmitir, e que está muito acima das discussões intermináveis sobre diferenças menores entre indivíduos ou denominações. Sejamos luz, pois: acima dos desejos e preocupações pelo que é finito, a igreja precisa redescobrir na prática, no embate com o mundo, a verdadeira dimensão do que já recebeu – a verdade do Evangelho que “ilumina a todos os homens”, transcendendo com vigor a todos os particularismos.

Archives

Junho 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Fevereiro 2006   Abril 2006   Junho 2006   Julho 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Março 2007   Abril 2007   Novembro 2010   Julho 2013   Outubro 2013  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?